eu não sou defensor de pair programming. até porque não tenho experiência com xp. recentemente trabalhando em um “side-project” com meu amigo Fabio Vazquez, por diferentes motivos, começamos fazendo pair programming por alguns dias. o resultado foi bem interessante. conseguimos evoluir e defenir o que desejávamos mais facilmente. algumas semanas antes tinhamos tentado definir alguns pontos do design apenas conversando num quadro branco. Mas nada evoluiu tão rápido como nos dias que fizemos pair programming.

se pararmos para pensar fazemos pair programming diversas vezes na nossa vida de desenvolvedor. por exemplo, quando chamamos um colega para nosa ajudar a resolver um problema que não estamos conseguindo resolver. Fato é, que sentando na frente do visual studio com o fábio era bem mais fácil entender o que um ou o outro dizia e também visualizarmos o que queríamos. também rapidamente um ou o outro apontava algum erro de design ou dava uma sugestão.

lendo um post roy osherove li um jeito diferente de fazer pair. eles chamaram de screen pairing. nunca tentei deste jeito então não dá para dizer se é bom ou não. também, não sou, ainda, um defensor de programação em par constante, para todo o desenvolvimento. mas para mim está claro que ela tem o seu valor em momentos específicos do projeto.

talvez na próxima vez que for fazer programação em par vou tentar fazer usando screen pairing.

[]s

 
follow me