Posts
  • Windows Azure e SQL Azure - Blog do Condé

    Instalando o Tiny-Tiny-RSS no Windows Azure para substituir o Google Reader

    • 1 Comments

    Boa tarde !

    Desde que foi anunciado o fim do Google Reader, fiquei pensando em soluções para resolver o problema da carência de usuários deste serviço. Eu listei alguns pré-requisitos:

    1. Não ter nenhum custo para mim.
    2. Estar hospedado no Windows Azure.
    3. Implementação rápida.

     

    Após algumas pesquisas na Internet, encontrei o o Tiny-Tiny-RSS. O Tiny-Tiny-RSS  é um agregador open-source para leitores de RSS/Atom, além de usar tecnologia open-source (Linx, MySQL, PHP). Ele ainda tem API para conexão, vários plug-ins e outros recursos.

    Bem, ele atenderia aos meus requisitos plenamente, pois além de ser de graça (mas eu fiz uma doação para otime para continuar o projeto), poderia hospedar no Windows Azure e não precisaria programar o meu próprio agregador. Desta maneira, a próxima etapa de decisão seria decidir a arquitetura. Abaixo a minha matriz de pró/contras.

    Arquitetura Pró Contras
    Usar IaaS com ambiente Linux e MySQL Maior nível de controle. O maior controle requer tamb[em uma maior carga de administração dos servidores.
    Usar o Windows Azure WebSites para hospedar Redução do tempo de administração e setup Menor nível de controle

     

    Pois bem, como tempo é dinheiro; a escolha pelo uso de Windows Azure Websites foi mais que natural, afinal não quero gastar tempo na administração e setup. E como a aplicação não é algo de missão crítica para ter a necessidade de maior controle no nível de sistema operacional.

    Este tutorial contém 5 passos para montagem de um ambiente de Tiny-Tiny-RSS:

     

    Pré-requisitos

    Este tutorial precisa de alguns aplicativos, abaixo tem a lista dos necessários:

    • O 7-Zip é necessário para descompactar os arquivos do Tiny-Tiny-RSS
    • O FileZilla é um projeto open-source para FTP

     

    Passo 1 – Criando o Website no Windows Azure

    1 – Abra o Portal de Gerenciamento do Windows Azure.

    2 – Clique em Criação Personalizada em Novo->Computação->Site->Criação Personalizada.

    image

     

    3 – Na tela Criar Site digite o nome do site. No meu exemplo, estou usando conderss01.

    image

    4 – Na tela Criar Site, selecione o datacenter que for mais adequado.

    image

    5 – Na tela Criar Site, selecione Criar um novo banco de dados MySQL. O Tiny Tiny RSS usa MySQL para armazenar os feeds e dados.

    image

    6 – Na tela Criar Site, observe que há o campo Nome da Cadeira de BD que é responsável para armazenar a string de conexão de banco de dados. Dê um nome adequado e clique na seta para avançar.

    image

    7 – Digite o nome do banco de dados MySQL.

    image

    8 – Selecione o datacenter mais adequado.

    image

    9 – Marque a opção Eu concordo e clique no botão para concluir.

    image

    10 – O Windows Azure iniciará o processo de criação do WebSite, você poderá ver o progresso conforme a tela abaixo.

    image

    11 – Pronto ! Quando aparecer Executando no campo de status, o WebSite estará pronto !

    image

    Passo 2 – Fazendo upload do Tiny-Tiny-RSS

    1 – Dentro do Portal de Gerenciamento do Windows Azure, clique em cima do nome do WebSite que você criou anteriormente.

    image

    2 – Dentro do WebSite, clique no link Painel.

    image

    3 – Você poderá ver as estatísticas de execução do WebSite, bem como os endereços FTP para acessar remotamente.

    image

    4 – Copie para um Bloco de Notas a url do FTP e abra o FileZilla

    5 – Dentro do FileZilla, digite os valores do Host, Username e Password. Por fim, clique em Quickconnect.

    image

    6 – Quando a conexão ser estabelecida você verá a tela abaixo.

    image

    7 – Dentro do FileZilla, do lado de FTP expanda a pasta até wwwroot que está em /site/wwwroot.

    image

    8 – Copie os arquivos do diretório compactado do Tiny-Tiny-RSS para o diretório do FTP /site/wwwroot. Veja na tela abaixo.

    image

    9 – Você poderá acompanhar a evolução da cópia através da tela de Log do FileZilla.

    image

    10 – Pronto ! Quando o processo de upload for concluído, você poderá ver que não há nenhum arquivo pendente para upload

    image

    Passo 3 – Instalando o Tiny-Tiny-RSS no WebSite

    1 – Uma vez concluído o processo de upload, clique no link do seu site e verá uma tela , veja abaixo.

    image

    2 – Clique em Database e selecione MySQL

    image

    3 – Digite as credenciais de acesso ao MySQL que está vinculado ao seu WebSite, e clique em Test configuration. Caso não saiba, veja neste tutorial como obter as credencias.

    image

    4 – Se as credenciais tiveram certas, você verá a mensagem Configuration check succeeded e Database test succeeded. Clique no botão Initialize database

    image

    5 – Quando o Tiny-Tiny-RSS terminar de inicializar o banco de dados, ele mostrará a tela do arquivo de configuração (config.php). Clique no botão Save configuration

    image

    6 – Clique no link loading tt-rss now para inicializar os dados do banco de dados

    image

    7 – Quando pronto, o Tiny-Tiny-RSS exibirá a tela de login. A usuário e senha defaults são admin/password

    image

    8 – Pronto ! Ao logar você verá a tela de artigos do Tiny-Tiny-RSS. Veja o exemplo abaixo:

    image

    Passo 4 – Exportando os feeds do Google Reader

    1 – Logue no Google Reader e procure pelo menu de configurações, veja o exemplo abaixo.

    image

    2 – Clique na aba Import/Export.

    image

    3 – Clique no link Download your data through Takeout

    image

    4 – Quando o processo de coleta acabar (100%), clique no botão Create Archive.

    image

    5 – Uma vez concluído o processo de arquivamento, clique no botão Download.

    image

    6 – Pronto ! Abrao arquivo compactado e pegue o arquivo subscriptions.xml

    Passo 5 – Importando as inscrições para dentro do Tiny-Tiny-RSS

    1 – Dentro do Tin-Tiny-RSS clique botão Acões e depois em Preferences…

    image

    2 – Clique em Feeds e depois em OPML

    image

    3 – Clique no botão Browse e procure o arquivo subscriptions.xml que você pegou no passo 4

    image

    4 – Clique no botão Import my OPML.

    image

    5 – Aguarde o processo de importa;áo, você verá o progresso através da tela Importing, please wait

    image

    6 – Quando finalizado a importação , você uma tela abaixo. Clique no botão Fechar esta janela.

    image

    7 – Você poderá ver os feeds importados na lista. Veja o exemplo abaixo:

    image

    8 – Clique no link Sair das preferências

    image

    9 – Pronto ! A importação das inscrições foi realizada com sucesso. O Tiny-Tiny-RSS leva um tempo para atualizar as entradas; mas você fazer manualmente clicando em cada inscrição que deseja.

    image 

    Passo 6 (Adicional) – Recuperando o usuário e senha do MySQL: O propósito é mostrar como recuperar o usuário e senha do banco MySQL

    1 – Dentro do Portal do Windows Azure, clique em Sites.

    image

    2 – Clique em Painel.

    image

    3 – Clique em Exibir cadeias de conexão

    image

    4 – Pronto ! Você os detalhes da string de conexão.

    image

     

    abs e T+
    Condé

    versão 1.0

  • Windows Azure e SQL Azure - Blog do Condé

    Anúncio–Virtual Network agora tem suporte para Windows RRAS e Conexão Ponto para Rede Virtual

    • 0 Comments

    Boa noite a todos !

    O Virtual Network/Rede Virtual é um serviço do Windows Azure que permite fazer conexões de redes locais com o Windows Azure, permitindo assim aos clientes extenderem suas capacidades locais com os serviços do Windows Azure. Através do Virtual Network, clientes podem criar máquinas virtuais, atribuir endereços IPs para as VMs, configurar DNS e assim transformar o Windows Azure como uma extensão natural dos seus datacenters.

    Desde que lançamos este serviço em junho de 2012, a construção de uma virtual network dependia exclusivamente do uso de roteadores Juniper e Cisco para extender a sua rede, e desde o dia 26/04/2013 colocamos duas novas funcionalidades para melhorar as conexoes de ambientes locais (on-premises) com a nuvem pública. De forma geral, o quadro abaixo simplifica o funcionamento da rede virtual do Windows Azure.

     

    Windows Server 2012 RRAS

    Além de usar os roteadores Juniper e Cisco, agora é possível utilizar o serviço de Acesso Remoto e Roteamento (Routing and Remote Access) do Windows Server 2012 para montar a sua rede virtual.  Com esta novidade, damos mais flexiilidade aos clientes na montagem de suas soluções, bem como continuar a utilização de soluções baseadas em hardware.

    Veja os links de como funciona o Windows Server 2012 RRAS e como montar uma rede virtual.

     

    Conexão Point-To-Site (Ponto a Site)

    Outro recurso sempre pedido pelos clientes era a capacidade de conectar na rede virtual através de máquinas clientes, tais como Windows 7 e Windows 8. Esta funcionalidade chamada de Point-To-Site VPN agora está em produção e plenamente funcional. Para mostrar como fazer uma conexão, veja este tutorial que montei abaixo.

    Este tutorial contém 5 passos de configuração que são:

     

    Passo 1 – Criando a Virtual Network

    1 – Chame a opção criação personalidade de uma rede virtual através da opção Criação Personalizada em Novo->Redes->Rede Virtual->Criação personalizada

    image

    2 – No meu caso, vou criar um novo grupo de afinidade (reunir os serviços do Windows Azure em grupos), por isto selecionei Criar um Novo Grupo de Afinidade. Em seguida selecione a Região e o digite o nome do grupo de afinidade. Uma vez tendo digitado os dados corretamente, clique no botão avançar.

     

    image

    3 – Se deseja criar um grupo de endereçamento de IPs diferentes, faça as modificações. Uma vez concluído, clique no botão avançar.

    image

    4 – Clique em adicionar sub-rede do gateway e modifique o endereços IPs, se necessário. Uma vez concluído, clique em concluir.

    image

    5 – Quando concluído a criação da rede virtual, você verá escrito Criado na lista de redes virtuais

    image

     

    Passo 2 – Criando uma VM para a rede virtual

    1 – Selecione a opção Da galeria em Novo->Computação->Máquina Virtual

    image

    2 – Selecione a imagem que deseja usar para criar a VM e depois clique no botão avançar.

    image

    3 – Preencha os dados da VM que deseja criar (data de liberação, tamanho, usuário administrativo, senha do usuário administrativo) e clique no botão avançar.

    image

    4 – Agora o ponto de atenção, digite o nome da url da VM e selecione a rede virtual que você acabou de criar.

    image

    5 – Outro ponto de atenção, como a rede virtual pode ter várias subnets, selecione a adequada para o seu exemplo. E depois clique no botão avançar.

    image

    6 – Clique no botão concluir, para iniciar o procedimento de criação da VM na rede virtual selecionada.

    image

    7 – O Windows Azure iniciará o processo de criação de VM, o tempo médio é 5-7 minutos

    image

    8 – Quando concluído, você verá a mensagem Executando no nome da VM.

    image

     

    Passo 3 – Criando o Gateway para a rede virtual

    1 – No Portal de Gerenciamento do Windows Azure, selecione Redes do lado esquerdo.

    image

    2 – Clique na rede virtual que deseja criar o gateway.

    image

    3 – Verifique que a mensagem O Gateway não foi criado aparece na sua rede virtual.

    image

    4 – No meu de rodapé, clique na opção Criar Gateway.

    image

    5 – Confirme a criação do gateway clicando no botão Sim.

    image

    6 – O Windows Azure iniciará a criação do gateway para esta rede virtual. Este processo leva-se de 5-7 minutos para montagem do gateway (entidade que resolverá os IPs da sua rede).

    image

     

    Passo 4 – Criando certificado digital para habilitar o acesso remoto

    1 – Crie um diretório local na sua máquina. No meu exemplo, eu usarei o diretório c:\temp\vpnconde. Você precisará deste diretório durante os próximos passos.

    2 – Abra o VS2012 x86 Native Tools Command Prompt.

    image

    3 – Vá para o diretório que você criou anteriormente.

    image

    4 – Digite o comando para criar o certificado digital makecert -sky exchange -r -n "CN=vpnconde" –pe -a sha1 -len 2048 -ss My

    image

    5 – Quando o certificado digital estiver pronto aparecerá mensagem Succeeded.

    6 – No menu Run, digite mmc e selecione o mmc.exe.

    image

    7 – Selecione a opção "Add/Remove Snap-in no menu File->Add/Remove Snap-in dentro do Management Console (MMC).

    image

    8 – Na lista de snap-ins, selecione Certificates, depois clique no botão Add. Em seguida clique no botão OK.

    image

    9 – Veja que o certificado digital criado anteriormente já está aparecendo na lista.

    image

    10 – Clique com o botão direito e selecione Export em All Tasks->Export.

    image

    11 – Clique no botão Next.

    SNAGHTML589aaa

    12 – Clique no botão Next.

    SNAGHTML58ea7e

    13 – Clique no botão Next.

    SNAGHTML594eeb

    14 – Digite o diretório e nome do arquivo que será gerado, em seguida clique em Next. No meu exemplo, estou usando o diretório c:\temp\vpnconde.

    SNAGHTML59fbdc

    15 – Clique no botão Finish.

    SNAGHTML5a699c

    16 – Quando concluído o processo de exportação, clique OK.

    SNAGHTML5b3a62

    17 – Verifique que o arquivo foi criado no diretório que você usou previamente para armazená-lo. No meu exemplo, está dentro de c:\temp\vpnconde.

    image

     

    Passo 5 – Configurando o certificado digital na rede virtual

    1 – Dentro do Portal de Gerenciamento do Windows Azure, clique no link “Carregar o certificado de cliente

    image

    2 – Selecione o arquivo e clique no botão concluir.

    image

    3 – O certificado digital será feito o upload, quando concluido aparecerá a mensagem “Certificado de cliente para a rede virtual vpnconde carregado com êxito”.

    image

     

    Passo 6 – Conectando a máquina local com a rede virtual

    1 – No Portal de Gerenciamento do Windows Azure, clique em “Baixar Pacote de VPN para Cliente AMD64” (lembre-se de baixar o pacote associado ao seu sistema operacional).

    image

    2 – Ao terminar a o download do pacote, inicie a instalação do mesmo. O processo é bem rápido e não requer download.

    SNAGHTML6ae2e1

    3 – Após a conclusão da instalação, você verá a VPN na suas redes (exemplo no Windows 7, mas vale também para Windows 8).

    image

    4 – Clique em cima da VPN, e aparecerá a tela abaixo.

    SNAGHTML6d4a5a

    5 – Quando estiver autenticado, aparecerá no Windows Azure Virtual Network a mensagem abaixo.

    image

    6 – Pronto !!

     

    abs e T+
    Condé

    Versão 2.0

  • Windows Azure e SQL Azure - Blog do Condé

    Anúncio–GA (Produção) de Máquinas Virtuais (Windows, Linux), Rede Virtual, redução de preço e muito mais

    • 0 Comments

    Bom dia a todos !!!

    imageHoje é um dia excitante para a Microsoft, Windows Azure e todos os nossos clientes ao redor do mundo. Tenho o prazer de anunciar a disponibilidade geral dos Serviços de Infraestrutura do Windows Azure. Agora com este novo serviço, torna-se possível para os clientes moverem suas aplicações para a nuvem. Veja o resumo das novidades, programados e como aprender mais sobre Windows Azure.

    O anúncio de hoje é um passo significativo para a nossa estratégia de computação em nuvem, que foi influenciando diretamente pelas nossas discussões com os clientes e parceiros ao redor do mundo. Ao longo destas conversas, uma coisa é verdadeira em cada discussão – empresas sabem que o sucesso do uso da nuvem está no poder do “E”. Clientes não querem simplesmente remover ou trocar a infraestrutura atual para obter o benefício da nuvem; eles querem os pontos fortes dos investimentos locais (on-premises) e a flexibilidade da nuvem. Não é apenas a conversa entre Infraestrutura como Serviço (IaaS) ou Plataforma como Serviço (PaaS), mas sim o poder dos Serviços de Infraestrutura e Serviços de Plataforma e cenários híbridos. A nuvem deve ser um facilitador para a inovação, e uma extensão natural para o TI da sua empresa, ao invés de ser simplesmente uma maneira elegante de dizer que nuvem é uma infraestrutura barata e hospedagem de aplicações.

    Clientes também vem me falando que eles não querem ter que escolher entre um baixo preço ou um bom desempenho; eles querem baixo preço e bom desempenho. E é por isto que, estamos anunciando o nosso compromisso da paridade de preços com a Amazon Web Services para os serviços básicos como computação, armazenamento e largura de banda. Este compromisso já inicia com a redução dos preços das Máquinas Virtuais e Serviços de Nuvem entre 21-33%. Independentemente de como você optar pela compra do Windows Azure, você receberá o benefício da redução de preço. Como disse nosso Gerente Geral de Operações, Steven Martin, “Se você tinha dúvidas sobre o Windows Azure ser mais caro, hoje, nós estamos colocando de lado estas preocupações”.

    Ao ouvir o feedback dos clientes, nós aprendemos muito sobre as cargas de trabalhos (workloads) que você desejam rodar no Windows Azure. Como parte da nova versão dos Serviços de Infraestrutura, nós adicionamos novas instâncias com grande memória (28 GB/4 core e 56 GB/8 core) para rodar suas cargas de trabalhos mais exigentes. Nós também aprendemos muito sobre as aplicações que vocês querem rodar, desta maneira adicionamos um novo número de instâncias validadas baseadas em Microsoft na nossa lista, que inclui: SQL Server, Sharepoint, Biztalk Server e Dynamics NAV.

    É gratificante ver os nossos clientes já usando a nossa abordagem única de solução híbrida para inovar. Por exemplo, a empresa de marketing automotivo e mídia social, Digita Air Strike, vem utilizando os Serviços de Infraestrutura e Plataforma do Windows Azure para criar um mecanismo instantâneo de feedback para todas as compras de carros e serviços transacionais para a gigante do setor automotivo, General Motors. Isto permite que a GM monitore a saúde dos seus relacionamentos com os clientes em tempo real, fornecendo observações de negócios profundas e ricas.

    O CMO da Digital Air Strike nos disse recentemente que eles estavam estudando Amazon Web Services e outros provedores de nuvem, mas concluiram que “quando você trabalha para o mundo corporativo, você tem que escolher Microsoft”. Nós estamos honrados com esta declaração, e vem de encontro com a nossa vontade de continuar a liderança no campo corporativo, não apenas com a nossa plataforma de classe mundial, mas também com as décadas de experiência e suporte sem paralelo – Enterprise está nosso DNA. Nós nunca falaremos que uma aplicação Microsoft dentro da nossa máquina virtual está “acima da pilha” e não apoiá-lo, pelo contrário nós suportaremos e trabalharemos para o seu sucesso. E fazemos fazer isto com Acordos de Nível de Serviço (SLA) mensais que estão entre os mais altos do setor.

    Nós reconhecemos que os clientes tem a escolha, e por isto, hoje estamos tornando isto de maneira fácil – plataforma de computação em nuvem híbrida e completa, com excelente suporte, sem barreira de preço. Visite o site do Windows Azure para assinar uma oferta gratuita e experimente o poder do “e”.

    Resumo

    Serviços em Produção (GA – General Availability)

    • Máquinas Virtuais Windows: IaaS para Máquinas Virtuais rodando Windows
    • Máquinas Virtuais Linx: IaaS para Máquinas Virtuais rodando Linx
    • Rede Virtual: Montagem de rede virtual entre ambientes on-premises e a nuvem
    • Windows Azure Active Directory: Serviço de integração de identidade com o Active Directory.
    • Novas opções de instâncias com muita memoria: Disponibilidade de máquinas virtuais de 28 e 5GB para rodar os workloads que precisam de mais memória
    • Produtos da Microsoft validados e suportados no Windows Azure: Os produtos Project Server 2013, Sharepoint 2010/2013, Dynamics NAV 2013 e SQL Server 2008 R2/2012 são suportados nativamente no Windows Azure
    • Imagens pré-configuradas com BizTalk Server 2013, SQL Server 2008 R2/2012 e Sharepoint Server 2013 Trial: Além de usufruir dos produtos Microsoft validados, clientes poderão comprar diretamente pelo portal do Windows Azure máquinas virtuais pré-configuradas com o BizTalk Server 2013, SQL Server 2008 R2/2012 e pagando pelo valor hora das mesmas.

    Novos Valores

    • Redução de preço para Máquinas Virtuais (PaaS & IaaS): Desconto de 21-33% para as máquinas virtuais tanto para PaaS como IaaS. Veja mais detalhes neste link
    • Disponibilidade gratuita da Rede Virtual: Até o dia 01 de junho de 2013, o serviço de Rede Virtual será gratuito. Após esta data será iniciado a cobrança. Veja mais detalhes neste link.   
    • Aumento de 50 horas nas ofertas gratuitas e membros da Microsoft: Para os parceiros, desenvolvedores que utilizam as ofertas MPN, Trial Offer, MSDN receberão 50 horas adicionais nas suas franquias para usufruir das máquinas virtuais de muita memória. Veja mais detalhes sobre as ofertas para membros neste link.

     

    Outros

    • Windows Azure Backup Online em Preview: O Serviço de backup online do Windows Azure integrado com o Windows Server e System Center já está disponível para uso em preview pago para o Brasil. Veja mais detalhes neste link

     

     

    Eventos

    imageDurante o dia 27 d abril de 2013, será realizado globalmente o Windows Azure Global Bootcamp. Iniciativa liderada pelos MVPs de Azure ao redor do mundo, tem como objetivo realizar uma série de Hands-on-Lab sobre Windows Azure. No Brasil, já temos mais de 12 cidades já confirmadas e alguns ainda sendo tratadas.

    Acredito que a próxima pergunta é: Como faço para me inscrever? Simples, entre no portal do BootCamp, escolha a sua cidade e pronto !

    Se quer saber mais sobre isto, sugiro seguir o MVP de Azure Lucas Romão (twitter, Blog) que está liderando isto ao redor do Brasil.

     

     

     

    image image
       

     

    Cursos de Windows Azure

    Além dos conteúdos disponíveis no Portal do Windows Azure, você pode conferir também os vários cursos disponíveis no Microsoft Virtual Academy (MVA). Para acessar basta entrar http://www.microsoftvirtualacademy.com e se registrar. Ou já use o link para acessar a busca por Windows Azure.

    image

     

     

    abs e T+
    Condé

    versão 1.0

  • Windows Azure e SQL Azure - Blog do Condé

    [OffTopic]–Livro sobre inovação

    • 1 Comments

    Figure 5

    Boa noite a todos !

    Quando trabalhamos em tecnologia da informação sempre há o ponto da inovação. Quem inovou primeiro ? Quem criou a idéia ? Quais os modelos de sucesso para que uma invenção torne-se uma inovação? E assim por diante vão surgindo várias perguntas.

    Na iniciativa chamada Open University (uma universidade aberta para ensino à distância), tive a oportunidade de me encontrar com o “Invention and Innovation: An Introduction”.  De uma maneira bem didática, o autor descreve como funciona invenção e o que isto diferencia da inovação. Apresenta conceito-chave para construir a inovação, como funciona o processo de invenção e até mesmo um self-assessement para saber se está aprendendo a mensagem. Infelizmente não tem uma versão PDF disponível, você tem que lê-lo na própria página.

    []s e T+
    Condé

    versão 1.0

  • Windows Azure e SQL Azure - Blog do Condé

    Evento–Evento Online do time de Azure da Corp

    • 0 Comments

    image

    Boa tarde a todos !

    Sempre me perguntam os próximos eventos que ocorrerão no Brasil e nos Estados Unidos. Um que gostaria de destacar é o MEET Windows Azure, ele será realizado no dia 07/junho/2012 na linda cidade de São Francisco.

    Este evento contará com a ilustre presença do Scott Guthrie (e claro, com sua camisa vermelha), líderes do mercado de tecnologia e membros do time de Windows Azure.

    Para deve estar triste que não poderá ir, fique animado o evento será transmitido ao vivo. Para isto para entrar em meetwindowsazure.com e fazer a sua inscrição. Aproveite também e já adicione o convite ao seu calendário.

    abs e T+
    Condé

    versão 1.0

  • Windows Azure e SQL Azure - Blog do Condé

    Casos–OfficeBook–Gere estatísticas e o seu perfil através do OfficeBook, um aplicativo Facebook rodando no Windows Azure

    • 0 Comments

     

    imageBoa tarde a todos !

    Existe uma expressão no mundo de TI chamado de DogFooding, que basicamente diz que a empresa usa os produtos que ela mesma cria. De acordo com a Wikipedia, esta expressão surgiu de Paul Maritz (Na época, Gerente do produto Lan Manager) quando ele desafiou o próprio time a adotar o produto que estava construindo, apenas para lembrete o LAN Manager foi um dos precursores do Windows NT. De certa forma, esta expressão acabou ganhando o mercado e várias empresas vem pregando que realizam DogFooding.

    Na Microsoft usamos desde que a prática do DogFooding foi pregada, muitas vezes recebemos ainda em estágio inicial (pr~e-CTP) muitos dos produtos que ainda chegarão no mercado. Se você se acha um crítico de qualidade dos produtos, agora imagina que o nível de detalhes e observações que nós mesmos enviamos para os times do produto, em muitos casos quase falamos pessoalmente com o desenvolver daquela linha de código problemática.

    Um exemplo que gostaria de dar para vocês de DogFooding é o recente aplicativo de Facebook chamado OfficeBook. Através deste aplicativo, usuários do Facebook podem gerar arquivos Word, Excel e Powerpoint de suas interações com amigos, as fotos que você foi “taggeado”, estatísticas do genêro do círculo de amigos e assim por diante. Eu realmente “curti” este aplicativo.

    E para quem tem dúvida do potencial de nuvem e a revolução silenciosa (tema sempre abordado nas minhas palestras), ele foi totalmente construído em Windows Azure. Sim, eles criaram um aplicativo que se autoriza no Facebook, coleta suas informações e ao final gera o arquivo Word que você compartilhar com seus amigos.

    Alguns dados interessantes deste aplicativo:

    • Desenvolvido em .NET
    • Construído pela Agência Wunderman
    • Usa mais de 40 núcleos de processamento (uma conta de padeiro, é como se tivesse mais de 40 servidores suportando a demanda). Abaixo vocês podem ver um screenshot do momento que estavam atualizando os servidores.

    clip_image001

    Abaixo vocês podem ver um visão do OfficeBook.  Se gostou? Basta ir no link do OfficeBook e autorizar ele ler o seu perfil do Facebook.

    image

     

    abs e T+
    Condé

    versão 1.0

  • Windows Azure e SQL Azure - Blog do Condé

    Anúncio–Windows Azure Media Services

    • 0 Comments

    Bom dia !

    Durante o dia de hoje no evento NAB 2012 (National Association of Broadcasters), estamos anunciando o Windows Azure Media Services. O Media Services reune um conjunto de services para criação, gerenciamento e distribuição de mídia dentro do Windows Azure. Este novo serviço abre grandes oportunidades para clientes e parceiros Microsoft. Da perspectiva dos clientes, estes poderão usar serviços prontos para colocar os seus conteúdos, sem se preocupar com infraestrutura, detalhes de codificação e até mesmo a distribuição para múltiplos devices (WIndows Phone, XBOX, PCs, MacOS, iOS, Android e set-top boxes).

    Do ponto de vista de parceiros, o Media Services permitirão que parceiros possam desenvolver extensões e serviços adicionais para os seus clientes, expandindo assim para outros cenários que o Media Services ainda não tem pronto. Já há uma lista de parceiros que participarão deste serviço, tais como: Harris Corp, Akamai, Tata Consultancy Services e outros. Trabalhando com vários parceiros, o Media Services será utilização na distribuição dos vídeos dos jogos Olímpicos 2012 em Londres.

    Clique no link para participar preview do Media Services. Se está pensando em desenvolver extensões e serviços para o Media Services, veja a documentação no MSDN.

    Media Services Architecture

     

    Links:

    abs e T+
    Condé

    versão 1.2

  • Windows Azure e SQL Azure - Blog do Condé

    Anúncio–Mais 2 opções de datacenter para o Windows Azure

    • 0 Comments

    Boa tarde a todos !

    [Atualização 06/02/2012 14:06] Os serviços do SQL Azure já estão disponíveis nos novos datacenters

    Com o intuito de aumentar a capacidade para a demanda que estamos recebendo, a partir de hoje entra em operação mais 2 datacenters para a região US (Estados Unidos). Esta novas opções permitirão que os clientes possam fazer deploy de suas aplicações e armazenar seus dados no Windows Azure Storage. A disponibilidade do SQL Azure deverá ocorrer nos próximos meses. Desta maneira, as opções para a região US ficam:

    1. North Central US: Windows Azure Hosting, SQL Azure, Service Bus, Active Directory, Caching e Windows Azure Storage
    2. Central South US: Windows Azure Hosting, SQL Azure, Service Bus, Active Directory, Caching e Windows Azure Storage
    3. (novo) West US: Windows Azure Hosting, SQL Azure e Windows Azure Storage
    4. (novo) East US: Windows Azure Hosting, SQL Azure e Windows Azure Storage

     

    Desta maneira quando for realizar o deploy de sua aplicação ou conta de armazenamento basta selecionar os novos datacenters. Veja abaixo as imagens:

    Deploy de Aplicação

     

    Criação de Conta de Armazenamento

    image   image

     

    abs e T+
    Condé

    versão 1.0

  • Windows Azure e SQL Azure - Blog do Condé

    Anúncio–Redução de preço do Windows Azure Storage e Serviço de Computação

    • 0 Comments

    Boa noite a todos !

    Além da redução de preço em banco de dados, hoje anunciamos a redução de preço do Windows Azure Storage e o Serviço de Computação.

    • Na modalidade pago-pelo-uso, o preço foi reduzido em 12% (de USD 0,14/GB para USD 0,125/GB)
    • No modalidade de 6 meses do Windows Azure Storage, todos os preços foram reduzidos em 14%
    • A instância extra-small (extra-pequeno) foi reduzido em 50% (de USD 0,04 para USD 0,02)

     

    Em um simples exemplo, usando uma instância durante 30 dias (24 horas x 30 dias) + um banco de dados do SQL Azure de 100MB, o custo fica menos que USD 20,00/mês. Esta mudança estará presente na sua próxima cobrança (com redução a partir de hoje), sem necessidade de nenhuma modificação. Para ver mais detalhes, segue alguns links:

     

    abs e T+
    Condé

    versão 1.0

  • Windows Azure e SQL Azure - Blog do Condé

    Um insight sobre o desenvolvimento para smartphones + nuvem

    • 3 Comments

     

    DevicesToolkits[1]

    Bom dia a todos !

    Durante anos, o desenvolvimento de aplicações vem sofrendo o efeito pendular do desenvolvimento ora centralizado no cliente (client-centric), ora centralizado no servidor (server-centric). Hoje, com proliferação dos dispositivos móveis (smartphones, tablets) e a liderança pelos sistemas operacionais como iOS, Android, WP7, podemos notar que as aplicações necessitam de uma arquitetura cliente-servidor híbrida.

    Este movimento significa que os desenvolvedores/empresas precisam juntar mais peças do que antes. Como conciliar linguagens, necessidades, frameworks, alta-disponibilidade em uma aplicação para smartphones ? Em resposta a esta pergunta, sentimentos o surgimento de plataformas que procuram tratar a funcionalidade híbrida de uma maneira mais transparente e produtiva. Estas plataformas procuram incluir desde armazenamento de dados, notificar acontecimentos e até mesmo autenticar os usuários em múltiplos serviços.

    Do Cliente, passando pelo servidor para o Híbrido

    Apesar de eu ser relativamente novo (35 anos), passei por alguns momentos importantes das indústria da computação no Brasil. Em me lembro no final dos anos 80 para 90, que comecei a trabalhar com ambientes caracteres e algumas vezes baseados no ambiente cliente. Naquele período, o mundo era menos conectado, as redes locais ainda estavam aparecendo aos poucos (LANtastic, Netware e Windows NT), naquele momento os usuários acreditavam que as aplicações podiam rodar em modo offline, e que os dados deveriam estar armazenados nos seus discos locais (algumas vezes, nos disquetes de 5 1/4 ou 3 1/2).

    À medida que as redes locais aumentavam o seu desempenho e os sistemas operacionais ganharam novas capacidades, algumas atividades que antes eram feitas no cliente passaram para o servidor, exemplo clássico, processamento e armazenamento de dados em banco de dados relacional (surgem os bancos Oracle, Sybase, SQL Server e outros). Este movimento tornou-se cada vez mais forte com o aparecimento da Web. Na realidade, a Web (meados de 00’s), criou-se a rede das redes, aplicações foram aos poucos se movendo para a Web afim de compartilhar entre si os seus dados (mesmo que de maneira muito rudimentar).

    Neste momento, é que vemos a transformação do browser no cliente de vital importância na perspectiva do usuário, de qualquer lugar, bastava abrir o browser, ir para uma URL e pronto ! Da perspectiva do desenvolvedor, o pêndulo se moveu para o desenvolvimento centralizado no servidor (server-centric). Basicamente, estamos falando um modelo de browser requisita uma ação, o servidor a processa e retorna o resultado. Quem nunca, começou a desenvolver os seus formulários para receber dados no padrão (post->->action->result). O ASP (Active Server Pages) foi um modelos mais comumente usados neste período e com a sua ferramenta de desenvolvimento Visual Interdev.

    Avançando no tempo até os nossos dias atuais, a rede e a disponibilidade da comunicação tornaram parte vitais de várias empresas. Em recente podcast, ouvi que devemos mudar a contabilização de tempo na Internet para tempo que não estamos conectados. Afinal de contas, através do seu celular você recebe notificações de e-mail, recados do Facebook, tweetes que te colocam em destaque e assim vai (always on). É claro, que esta disponibilidade ainda não é totalmente presente no Brasil (basta viajar para interior de Minas Gerais, e ver que estamos carentes de infraestrutura de telecomunicações), mas apesar desta “questão”, as nossas redes evoluíram muito (de modens de 9.600bps para redes de 1 MB mesmo no interior de Minas Gerais, é eu sei pois estive lá há 4 dias atrás).

    Nesta jornada, os desenvolvedores/empresas encontram uma necessidade diferente, os nossos usuários querem que suas aplicações em smartphones estejam sempre online e acessível de qualquer lugar. Querem estar conectados conectados 24 horas por dia para receber as informações, dados e notificações mesmo que a rede não esteja disponível.

    Desenvolvimento para uma arquitetura híbrida é complicado

    Para os desenvolvedores/empresas reunir as capacidades online e offline não é tarefa fácil. Isto significa reunir para o desenvolvimento de uma simples aplicação: estilos de desenvolvimento em múltiplos ambientes (celular e nuvem), múltiplas linguagens de programação (C#/Silverlight, Object-C, Java) e até mesmo em IDEs diferentes (Eclipse, Visual Studio e outros). Além disso, o modelo deve contemplar a conexão, sincronização de dados de maneira que aparentam sempre disponíveis (online), com centralização de dados em modo offline; e manter sempre um ambiente de alta-disponibilidade para que os dados nunca se percam.

    Combinando todos estes aspectos, ficou claro que a taxa de produtividade ficou baixa. E com este “problema” em mãos que podemos ver o surgimento das plataformas de nuvem para desenvolvedores.

    As Plataformas

    Nestes últimos anos, vemos o surgimento de várias plataformas de nuvem. Há várias no mercado, que vão desde de amplo uso (Amazon, Azure, AppEngine), até as mais centralizadas em frameworks/linguagens (Heroku, Mailgun, dotCloud). Todas estas plataformas de nuvem tem um próposito em comum: aumentar a produtividade dos desenvolvedores/empresas, permitindo que eles se concentram no desenvolvimento da aplicação ao invés de detalhes de uma infraestrutura.

    No caso do Windows Azure, é ele quem cuidará dos detalhes da redundância dos dados, conectividade na Internet, alta-disponibilidade do serviço e etc. O que um desenvolvedor/empresa precisa apenas é aprender um conjunto de APIs (Application Programming Interface) para consumir os seus serviços. Sim, uma parte de sua arquitetura você deixará de ter o controle e delegará para um terceiro, mas afinal de contas não é este o movimento natural do mercado? Nem todo mundo consegue reunir em uma mesma cabeça: perfeito pizzaolo, desenvolvedor, executivo e especialista em reatores nucleares. Em algumas funções nos concentramos mais e em outras simplesmentes deixamos para que o mercado possa fazer por nós.

    Aumentar a produtividade através da concentração no desenvolvimento da aplicação é dos principais motivadores da inovação na Plataforma Windows Azure. A Microsoft vem lançado continuamente plugins, APIs, bibliotecas e todo o vasto material para que desenvolvedores/empresas possam mover de maneira mais adequada e eficiente suas aplicações para a nuvem. Veja os anúncios mais recentes.

    O que venho encontrando em várias palestras, reuniões com clientes/parceiros, desenvolvedores e comunidades é alto interesse no desenvolvimento para Smartphones + Windows Azure. Por outro lado, com toda a mudança no mercado, existem os “receios”. Uma mensagem que sempre procuro mostrar são as dores que muitas tem, mas se acostumaram a sentir. Quem nunca preciso conectar aplicações entre si? Quem nunca teve um site que caiu por excesso de acesso ? Quem nunca precisou integrar dados, aplicações e dispositivos e sentiu o parto que foi? Acredito que precisamos pensar além do óbvio, a produtividade é algo inerente ao mercado, quanto mais rápido, melhor e eficiente; maior a tendência de ter sucesso. Quem nunca gostou de mostrar “what the next big thing”?

    Onde busco mais informações?

    Para que aquelas empresas/desenvolvedores que gostaram do post, deixo aqui alguns links para download :

    abs e T+
    Condé

    versão 1.0

Page 1 of 13 (129 items) 12345»