Boa tarde a todos !

Continuando a nossa série “Cenários Fictícios” vamos a mais um capítulo.

Veja os outros capítulos:
Capítulo 1 : SaaS – Série - Cenário Fictício – Considerações iniciais
Capítulo 3 : SaaS – Cenário Fictício – Levantamento de Cenários e Requisitos

Capítulo 2 – Visão do Projeto

No capítulo anterior da série “Cenários Fictícios”, falamos que o CEO da Condé Holding S/A teve a idéia de construir uma ferramenta, que usando o alcance da Internet, permitisse coletar fichas de feedbacks, preenchidas pelos consumidores dos seus clientes.

O que é um projeto?

Como arquiteto, qual é a primeira etapa para este projeto? Antes de responder esta pergunta, tem um ponto que gostaria de discutir, chama-se “O que é um projeto?”.

Se pegarmos a referência do PMI (Project Management Institute), também conhecido como PMBok (Project Management Base of Knowledge), em uma tradução livre “projeto é um empreendimento temporário que tem o propósito de entregar/gerar um serviço, produto ou um resultado único”. Na definição do projeto, entenda  “temporário”, como toda a atividade humana tem início, meio e fim. Também podemos entender como “serviço, produto ou resultado único”,  é que todo o esforço coordenado do projeto, tem o propósito de gerar “algo” que não existe naquela entidade, grupo, comunidade ou outros locais.

Trade-offs

Considere que um projeto é um desafio, ou seja, nem sempre existirão todos os recursos para executá-lo, ou o tempo é curto para entrega, ou há muito escopo a ser executado. Equilibrar esta tríplice-aliança é que torna o projeto um desafio a ser superado.

Trade-offs

Identificar estes trade-offs, qual é o grau de flexibilidade de cada um é uma das ações muito importantes para o desenho da visão do projeto.

Forças atuantes em um projeto

Agora que já sabemos o que é um projeto e seus principais trade-offs, o próximo passo é criar a visão, procurando identificar as forças que estão em volta do projeto. De uma maneira gráfica, as principais forças de um projeto podem ser representadas graficamente, como abaixo:

Forças atuantes em um projeto

Este desenho serve de base para o nosso mapeamento de quais as forças que atuam em um projeto, é claro que este desenho não pretende resumir todas as forças, e nem pretende demonstrar quais são antagônicas ou não. Mas quais considerações que poderíamos ter nestas forças:

  • Tecnologia
    • Quais as tecnologias aplicadas ao cenário?
    • Quais as tecnologias que o cliente tem conhecimento prévio?
    • Das tecnologias existentes para o projeto, qual é o roadmap de cada uma delas? (Será que existirão daqui há 5 anos? Ou terei que re-investir?)
    • Quais as tendências da tecnologia?
  • Stakeholders
    • Quais são as reais motivações dos stakeholders?
    • Quais são os resultados esperados pelo projeto?
    • Qual é a relação de investimento de cada Stakeholder com o projeto? (Mapeamento de forças de decisão)
  • Processos
    • Qual modelo de processo é mais adequado para a condução do projeto?
  • Ambiente organizacional
    • Como é a divisão hierárquica da organização?
    • Quais os meios de comunicação mais utilizados na organização (e-mail, telefone, conversas, formal, informal)?
    • Qual é o clima entre os profissionais na organização (competitivo, cooperativo)?
  • Mercado
    • Em qual mercado a organização está inserida?
    • O resultado do projeto (produto ou serviço) se propõe a preencher qual mercado?
    • Quais os ganhos diretos e indiretos que o resultado do projeto propõe trazer para a organização e para o mercado?
    • Há estudo de ROI (Return on Investiment) sobre o resultado do projeto?
    • Quais são os competidores da organização?
  • Leis/Regulações
    • Este projeto está sendo motivado por alguma regulamentação de mercado? Se sim, qual?
    • Quais leis/regulações que podem limitar o projeto?
    • Quais leis/regulações que podem expandir o projeto?
    • Há previsão de alguma lei/regulação que pode impactar sobre o projeto?
  • Ferramentas
    • Quais as ferramentas que a equipe da organização estão acostumados a utilizar?
    • Baseado no inventário de ferramentas da organização, qual é o roadmap delas?
    • É possível migrar para versões superiores e garantir o suporte?
  • Condições do ambiente externo
    • Há questões econômicas existentes que podem afetar o projeto?

Considerações sobre o projeto da Conde Holding S/A

Neste nosso cenário, podemos resumir uma visão do projeto:

Visão do projeto: Expandir as fronteiras de contatos entre os clientes da Condé Holding S/A e os seus consumidores.

Objetivo do projeto: Construir uma ferramenta de coleta de feedbacks vindos da Internet.

Algumas características e atributos esperados

  • Esta ferramenta deverá reaproveitar a infra-estrutura de serviços e regras de negócios existentes.
  • Esta ferramenta permitirá a criação de campos customizados
  • Esta ferramenta deve gerar um site que possa ser indexado pelos mecanismos de buscas.
  • A ferramenta deverá suportar customização de interface para cada cliente.
  • A ferramenta deverá permitir a contratação diretamente do serviço pela Internet.
  • O modelo de contratação de serviço deverá ser pela modalidade pay-per-use, paga-se pelo número de feedbacks enviados. Porém, há uma tabela de desconto progressiva aplicada.
  • Espera-se que a ferramenta esteja operacional em regime 24 x 7. E que o cliente possa ser notificado de quando há queda do nível de serviço (SLA – Service Level Agreement).
  • Os clientes pretendem embutir a ferramenta dentro do site deles (Mash-up).
  • Nesta etapa do projeto, não haverá exportação APIs (Application Programming Interface) para ser consumidas em outros sites.

Pontos sobre as tecnologias

  • A equipe tem experiência em .NET Framework 3.0, incluindo ASP.NET, WCF, WPF
  • A linguagem utilizada é C#
  • A equipe está interessada em utilização de hospedagem em ambiente de terceiros (motivação principal é corte de custos e escalabilidade).

Pontos sobre os Stakeholders

  • O CEO da Condé Holding S/A é o principal stakeholder envolvido no projeto. Tem a característica principal do empreendedorismo, porém é pragmático quando o projeto não dá o resultado esperado
  • O CEO acredita que o projeto pode gerar uma ferramenta para atuar no mercado de cauda longa (pequenas organizações).
  • O CIO acredita na plataforma PC da Microsoft, mas tem a suas dúvidas/incertezas sobre como a empresa está atuante no mundo da Internet.

Pontos sobre os Processos

  • A equipe de desenvolvimento da divisão de software da Condé Holding S/A usa o método em cascata para desenvolvimento dos seus produtos.
  • Um dos membros da equipe de desenvolvimento fez recentemente um curso de Scrum, e “evangelizou” todos sobre os benefícios da agilidade deste método de trabalho.

Pontos sobre o Ambiente Organizacional

  • A equipe de desenvolvimeto da divisão de software da Condé Holding S/A funciona no modelo de hierárquico-funcional.
  • O controle de requisitos funciona através de uma planilha excel compartilhada entre todos dentro de um Sharepoint

Pontos sobre o Mercado

  • A Condé Holding S/A está em posição confortável,

Pontos sobre Leis/Regulações

  • Não há que restringe o uso da Internet como mecanismo para coleta de feedbacks
  • De acordo com o departamento jurídico não há previsão de nenhuma lei que regulamento o setor

Pontos sobre as Ferramentas

  • A equipe de desenvolvimeto da divisão de software da Condé Holding S/A utiliza as seguintes edições do Visual Studio 2008: Team System Architect, Team System Developer e Team System Suite.
  • A equipe de desenvolvimeto da divisão de software da Condé Holding S/A utiliza o Visual SourceSafe como repositório de código-fonte e documentos de projeto

Pontos sobre as condições externas

  • Os clientes da Condé Holding S/A não sofreram impacto da crise global

Observação final

Neste captítulo procurei mostrar que um projeto é uma condição de desafio (equilibrar interesses e variáveis técnicas), assim torna-se mais que necessário identificar as condições que o cercam, indo além da tecnologia, veja também as aspectos econômicas, de comunicação, relacionamento e condições externas.

Saber destas condições, variáveis e interesses pode ajudar ao arquiteto ou um gerente de projeto direcionar a execução do projeto para melhor interesse dos stakeholders.

Nos próximos posts vamos continuar esta discussão. E para você que não leu o capítulo anterior, segue o link:

Capítulo 1: http://blogs.msdn.com/conde/archive/2009/05/12/saas-s-rie-cen-rio-fict-cio-considera-es-iniciais.aspx

abs e T+
Condé

versão 1.4