Nos emails e comentários, muitos tópicos foram levantados e freqüentemente notamos vários aspectos de uma questão serem ventilados. Um tema que emergiu foi o desejo das pessoas de escolherem o que é melhor pra cada um. Eu gostaria de explorar o tema de variedade de escolha já que essa é uma parte importante de como abordamos o desenvolvimento do Windows – escolha em todos os sentidos. Essa variedade de escolha deriva do fato de que o Windows faz parte de um ecossistema, no qual muitas pessoas estão envolvidas em fazem escolhas relativas aos tipos de computadores, configuração do sistema operacional, e aplicativos/serviços que eles criam, oferecem, ou usam. O Windows é um componente desse ecossistema, e nosso objetivo com o Windows 7 é fazer um bom trabalho em todos os aspectos relacionados ao ecossistema.

Ecossistema e variedade de escolha caminham de mãos dadas. Quando desenvolvemos o Windows temos em mente um grande número de representantes do nosso ecossistema além do Windows:

  • Fabricantes de PC
  • Componente de hardware
  • Engenheiros de software
  • Entusiastas

Cada uma dessas partes tem um papel fundamental na experiência proporcionada pelo PC e também em prover uma experiência personalizada e diferenciada, e onde empresas podem lucrar com o fornecimento de produtos e serviços únicos e diferenciados (oferecendo assim mais opções aos clientes). Para o Windows 7, nossa meta foi ser claro em relação aos nossos planos e mais consistente na execução desses planos de tal forma que cada parte do ecossistema pudesse se beneficiar ao máximo das oportunidades oferecidas ao desenvolver pro Windows.

Fabricantes de PC (OEMs) são um ponto importante de integração em vários aspectos do ecossistema. Eles compram e integram componentes e pre-instalam aplicativos. Eles trabalham com varejistas na distribuição dos PCs e assim por diante. As opções que eles oferecem em formatos dos PCs e design industrial são coisas que valorizamos extremamente como pessoas. Recentemente vivenciamos uma explosão na chegada de laptops de baixo custo e laptops que são ultrafinos. Cada um tem uma combinação única de funcionalidades e benefícios. A variedade oferecida aos clientes, embora às vezes parecer demais, permite uma riqueza sem precedentes. Para o Windows 7, nós estamos trabalhando bem próximos aos OEMs desde o começo do projeto para desenvolver uma visão compartilhada de como gostaríamos de proporcionar uma experiência excelente para nossos clientes. Juntos nós compartilhamos opiniões sobre como eles podem oferecer uma experiência diferenciada, resposta dos clientes aos programas que vem pre-instalado, e criamos parcerias na medição do desempenho de novos PCs em métricas chave como inicialização (boot) e finalização (shutdown).

Componentes de hardware incluem tudo desde a CPU até os periféricos principais de entrada e saída até componentes agregados. A variedade de dispositivos compatíveis com o Windows através do trabalho dos fabricantes de componentes de hardware independentes (IHVs) é inigualável. Desde o Windows 95 e a introdução do plug-and-play continuamos o trabalho de melhorar a experiência de adquirir novos dispositivos e fazê-los funcionar simplesmente conectando-os ao PC – uma coisa que também permite vivenciar melhorias na experiência de uso independente das versões novas do Windows. Essa é uma área na qual algumas pessoas sugerem que deveríamos suportar uma quantidade menor de dispositivos com garantia de funcionamento. Mas a própria variedade de escolha e melhorias constantes em hardware depende da habilidade dos fabricantes (IHVs) de prover aquilo que eles consideram experiências diferenciadas no Windows, freqüentemente independente da versão do Windows. O modelo de drivers de dispositivo é a tecnologia chave que a Microsoft proporciona no Windows pra fazer isso tudo funcionar. Para o Windows 7, nos comprometemos a continuar a estabilização do modelo de driver e de propagar o trabalho iniciado com o Windows Vista pro Windows 7 de uma forma fácil e transparente. Os drivers são onde os fabricantes expressam a experiência diferenciada que eles oferecem, portanto variedade de escolha e oportunidade é super importante. Acho que seria justo falar que a maioria de nós deseja uma experiência em que uma instalação “limpa” do Windows 7 deveria funcionar bem simplesmente baixando drivers do Windows Update quando necessário. Hoje, com a maioria dos PCs modernos isso realmente funciona com melhorias incríveis comparado com apenas alguns anos atrás. Assim como com os fabricantes de PC, temos também trabalhado com os fabricantes de componente por um bom tempo. No WinHEC teremos a oportunidade de mostrar os avanços do Windows 7 no que diz respeito a dispositivos e o ecossistema de hardware.

Engenheiros de Software escrevem os programas para o Windows. Assim como no ecossistema de hardware, o ecossistema de software suporta uma variedade de pessoas desenvolvendo na plataforma Windows. Os engenheiros de software sempre ocupam um lugar especial no coração da Microsoft, visto que nossas raízes são na área de linguagens de programação. Cada versão do Windows traz novas APIs e serviços de sistema para utilização por programadores para construir o que quer que eles queiram construir. Existem dois desafios que enfrentamos ao desenvolver Windows 7. Primeiro, gostaríamos de ter certeza que programas que funcionam em Windows Vista também funcionarão no Windows 7. Esse é um compromisso que estabelecemos desde o inicio do projeto. Como todos sabem, esse é talvez o componente mais crítico no desenvolvimento de um sistema operacional em termos de compatibilidade. Algumas vezes não conseguimos manter a compatibilidade então a cada versão nós testamos e verificamos uma variedade de aplicativos antes do lançamento. Testes de Beta nos ajudam certamente, mas não tem o rigor sistemático que buscamos. A telemetria que mostra o quanto melhoramos a cada versão do Windows é um aspecto importante. Algumas vezes quando nós não somos compatíveis, essa telemetria nos ajuda a corrigir problemas mesmo depois do lançamento. Se você vivenciou uma falha no aplicativo e estava conectado à internet, existe uma boa chance de você ter recebido uma mensagem sugerindo que atualizações estão disponíveis. Sabemos que temos que fechar o ciclo satisfatoriamente. Também precisamos aprimorar as ferramentas e práticas que programadores em Windows têm disponível para evitar essas situações – na outra ponta de tudo isso tem um cliente e deixá-lo confuso entre a Microsoft e o desenvolvedor do programa não é a melhor solução.

Nosso segundo desafio é prover novas APIs para programadores que os ajudam a prover novos recursos em seus aplicativos, e ao mesmo tempo oferecer valor suficiente de forma a justificar o investimento no aprendizado e uso dessas APIs. Internamente, sempre falamos sobre “grandes” avanços na interface gráfica em geral (tais como o uso da área de trabalho ou a habilidade de imprimir sem ser necessário desenvolver um modelo de driver especifica para o aplicativo). Hoje em dia funcionalidades como acesso a rede e computação gráfica são vitais em desenvolvimento de aplicativos. Discutimos anteriormente sobre novos recursos tais quais as interfaces de toque no Windows 7. Fomos também muito claros sobre a visão de que 64-bits é o lugar correto para programadores focarem suas energias, visto que a transição está a caminho e uma área que estamos claramente focados.

Entusiastas são facilitadores chave para o ecossistema, e que quase sempre são os que trabalham pelo simples prazer de contribuir. Como leitor desse blog existe uma grande chance que você representa essa parte do nosso ecossistema – mesmo trabalhando na indústria, somos também “fãs’ da indústria. Existem muitos aspectos em uma versão do Windows que precisão animar os entusiastas. Por exemplo, muitos de nós somos a primeira linha de configuração e integração para familiares, amigos, e vizinhos. Eu sei que dediquei parte do meu sábado instalando uma rede sem fio para uma professora amiga minha e tenho certeza que muitos de vocês fazem o mesmo. Entusiastas são também os mais radicais em querer opções e controles em seus PCs. São as revistas e sites de entusiastas que começaram a avaliar novos PCs baseados nos aplicativos pre-instalados e quão limpas são essas instalações. São os entusiastas que exploram os limites de novos recursos tais quais desempenhos gráficos em jogos eletrônicos. São os entusiastas que estão adotando Windows em 64 bits e encorajando a Microsoft a garantir que o ecossistema estará pronto para a versão do Windows 7 em 64 bits (obviamente estamos fazendo isso). Eu penso em entusiastas como a linha mestra que une todas as partes do ecossistema, participando em cada fase e em cada segmento. Esse blog é uma chance de compartilhar com entusiastas os detalhes sobre todas as decisões que precisamos tomar ao desenvolver o Windows 7.

Existem muitos outros participantes no ecossistema que são igualmente importantes como pontos de integração. Os integradores de sistema e revendedores fornecem PCs, aplicativos, e serviços para pequenas e médias empresas ao redor do mundo. Muitos leitores desse blog, com base nos emails que recebi, representam essa parte do ecossistema. Em muitos países os varejistas também atuam como pontos de integração para o consumidor final. Para grandes empresas os profissionais de TI necessitam o máximo de personalização e gestão de grande número de PCs. Suas necessidades são demandantes e variam bastante de empresa pra empresa.

Algumas pessoas mencionaram que o ecossistema não é a melhor abordagem e que deveríamos reduzir a superfície do Windows e suportar menos dispositivos, menos PCs, menos aplicativos, e menos bagagem do passado do Windows. Julgando pela diversidade de pontos de vista nesse assunto acredito que as pessoas necessitam de muita variedade de opções (por exemplo, em termos de DPI e tamanho do monitor). Alguns podem argumentar que uma superfície mais limitada facilita a engenharia de soluções (por definição isso é verdade), mas na verdade essa visão resultaria numa redução constante de opções disponíveis a clientes. A realidade é que a arte da engenharia é resolver problemas com as limitações impostas e que podemos encarar essas limitações como ativos, assim como encaramos a abrangência de dispositivos, aplicativos, e “historia” do Windows. O ecossistema do PC depende da oportunidade de muitas pessoas tentarem muitas idéias, incluindo aquelas que possam parecer um pouco malucas a princípio, mas que se tornam populares mais tarde. Com o Windows 7, estamos renovando nosso esforço em preparar o ecossistema e ao mesmo tempo alavancando o trabalho de todos no Windows Vista.

O ecossistema do Windows é bem significativo tanto na profundidade como na abrangência das partes envolvidas. Eu achei que para o propósito do diálogo nesse blog seria importante enfatizar isso logo de início. Sempre existe algum impacto em balancear as necessidades de cada aspecto do ecossistema. Otimizando completamente ao longo de uma única dimensão algumas vezes parece certo no curto prazo, mas no longo prazo é uma prática arriscada uma vez que os benefícios de uma plataforma estável que permite diferenciação é algo que parece beneficiar todos.

Com o Windows 7 estamos nos comprometendo de início em fazer um ótimo trabalho como participantes do ecossistema de PCs.

Esse artigo reflete sua visão do ecossistema? Como poderíamos descrever melhor os envolvidos em fazer a experiência em PCs ser fantástica pra todos?

-- Steven