Hoje foi anunciado no TechEd North America (que é um enorme evento técnico da Microsoft) o novíssimo Visual Studio 2013 e também o Team Foundation Server 2013.

Anunciar é diferente de disponibilizar, porém, para a alegria dos desenvolvedores modernos e ágeis, junto com estes  anúncios, o TFS na nuvem, conhecido também como Team Foundation Service, já recebeu  um update.

As principais funcionalidades são relacionadas ao tema ALM (Application Lifecycle Management) e no TFService você já pode experimentar as novidades.

Já para colocar as mãos no novo Visual Studio 2013 e no Team Foundation Server 2013 será necessário aguardar até uma outra conferência que acontecerá no final deste mês, o Build. Acesse o site oficial aqui .

Um time ágil, se persistente, acaba inevitavelmente criando uma empresa ágil. Com base nisso, o próprio TFS está cada vez mais amigável a um número maior de profissionais que vai além do time de desenvolvedores. Nossas soluções atuais também já incorporam uma boa integração com o Project Server, o que garante agilidade nas grandes comporações que fazem uso da solução.

Por outro lado, pensando em uma piramide organizacional, quanto mais visitamos os níveis superiores, menor granularidade encontramos dos detalhes que compõem o dia a dia do desenvolvimento de software.

É como olhar para um mapa à 1.000 pés, 5.000 pés, 100 mil pés.. a relevância na informação muda totalmente dependendo da altura. Quanto mais alto, visão mais ampla, menor detalhe.

Para o gerencialmento de um projeto é a mesma coisa. E o que tudo isso tem a ver com o TFS?

Com o TFS 2013 agora é possível acessar um backlog de diferentes níveis. Uma iniciativa de negócio pode ser quebrada em cenários e em seguida quegrada em user stories e assim por diante. Isto, no final das contas, acaba aproximando drasticamente diferentes equipes dentro de um projeto, e os “assuntos técnicos” que quase soam de forma pejorativa quando citados por uma área de estratégia ou negócio, tornam-se parte do escopo do projeto.

A questão não é se “o assunto é tecnico ou não”, mas sim, qual é a granularidade de informação tratada naquele momento. A classe, está na funcionalidade, que está na experiência.

Para os que já viram  uma “Matrioshka” , conhecida também como “boneca russa” , é um excelente briquedo para utilizar em exercícios de gerência de projetos. Não há quebra, só diferentes níveis.

 

 

 

A inteligência desta estutura está dentro do TFS 2013, já permitindo também que diferentes times que trabalhem com Scrum por exemplo, possam gerenciar seus próprios backlogs e user stories que compoem o mesma visão gerencial, ou se preferir, com menor granularidade.

 

 

 

Com uma melhora significativa da solução em termos de controle de versão, foi adicionada a aba Connect no Team Explorer, tornando ainda mais simples gerenciar diferentes Team Projects, estejam eles na nuvem ou local.

 

 

 

Uma nova home page para o Team Explorer também foi criada. Bem mais prática (e bonita) agora apresenta a lista completa de soluções do seu workspace, facilitando o acesso ao seu Team Project, onde você seleciona a Solução que deseja trabalhar e altera entre diferentes Soluções facilmente.

 

 

A Microsoft escuta de verdade a comuidade de desenvolvedores e demais usuários de seus produtos. No caso do Visual Studio, antes de qualquer nova versão ou update, normalmente é lançado um build do tipo CTP (Community Technology Preview) onde visamos que um pequeno número de usuários possam avaliar a ferramenta e darem feedbacks.

Neste avaliação, pode ser feito um check na implementação de funcionalidades ou melhorias que foram solicitadas pela própria counidade nos portais MSDN e TechNet da Microsoft. O que isto tem a ver com os assuntos que estávamos tratando? Simples.

Mais de 3 mil desenvolvedores votaram para que uma funcionalidade fosse trazida de volta, neste caso, a janela “Pending Changes” no Team Explorer.

Pedido da comunidade é uma ordem. Agora é possível fazer um “pop-out” janela.

 

 

 

 

Este é um dos destaques dos mínimos detalhes que estão presentes em termos de melhorias no Visual Studio e TFS 2013

Ainda sobre delhates que fazem toda diferença, foi adicionado uma funcionalidade que chamamos de “lightweight code commenting” , ou ser preferir um jeito mais brasileiro, uma “comentadinha de leve”, o que de alguma forma já estava disponível na versão Premium do Visual Studio mas traz uma experiencia complementar.

 

 

 

 

Falando sobre codificação, há uma nova funcionalidade chamada  “heads up display”  que indica, por exemplo, lugares que fazem referência a um determinado método que você pode estar procurando.

 

 

 

Desta vez, mostrando o status dos testes que testam o método que você está trabalhando.

 

 

Recentes alterações em um determinado método também pode ser visto.

 

 

Agora, falando sobre desempenho da sua solução, com o intuito de facilitar seu trabalho na hora de encontrar vazamento de memória (ou “consumo de memória” se preferir, embora “vazamento” eu ache mais aproriado, já que neste caso é um “consumo indesejável” ) agora é possível tirar um snapshot, uma fotografia instantânea do que está acontecendo em produção.

 

 

Bacana, não? A Microsoft continua trabalhando duro para criar a mais produtiva IDE (Integrated Development Environment) do planeta.

Falando sobre testes, agora no VS/TFS 2013 é possível gerenciar seus testes sem ficar alterando para o cliente do Test Professional a todo instante.

 

 

 

Um serviço totalmente novo chamado Cloud Load Testing foi criado. Suas aplicações no Windows Azure podem (e devem) ser verificadas, com o intuido de avaliar “o quanto escaláveis” elas realmente são. E então, acompanhar o progresso do seu teste.

 

 

Falando sobre colaboração, com o TFS 2013 é possível criar Team Rooms onde será gravado tudo o que acontece no seu time, desde conversas até checkins, builds e outras informações relevantes.

 

 

 

No evento Build muita coisa ficará disponível, e então você verá tudo isso em prática.

Os produtos ainda nem foram lançados, e o que você está vendo aqui é só parte das novidades.
Assim que disponível para download, colocarei o link no blog, e então deixarei que a conclusão seja feita por você.

Visual Studio 2013, Team Foundation Server (e Service) 2013 e mais novidades sobre a plataforma de desenvolvimento da Microsoft, incluindo o aguardado update do Windows 8 para 8.1, você terá acesso em muito breve.

Todas informações aqui postadas, foram extraídas de um comunicado oficial vindo direto doTechnical Fellow Brian Harry , onde além de deixar em PT-BR para entendimento de todos, procurei simplificar ao máximo, afinal, conhecimento só faz sentido se puder ser transmitido.

Ah, já ia me esquecendo.. O TFS é agnóstico O Visual Studio, também.

Aqui, dei exemplos com o Scrum. Mas poderíamos falar sobre KANBAN, Waterfall ou outras metodologias, onde o BML (Build-Measure-Learn) prevalence.

Forte abraço!
Fernando Martin, o Caverna

http://www.facebook.com/fernando.martinfiguera
https://twitter.com/fernandomartin
http://fernandomartin.azurewebsites.net